Depois de séculos de guerra e destruição, a moderna Jerusalém 
é construída sobre os seus próprios escombros. Durante uma visita, caminhamos pela Via Dolorosa, a rota que a tradição diz que Jesus seguiu em Seu caminho para a cruz. O dia estava quente, então paramos para descansar e descemos para o porão fresco do Convento das Irmãs de Sião. Lá, fiquei intrigado com a visão de antigas pedras de pavimentação descobertas durante uma construção recente. Eram gravadas com os jogos praticados por soldados romanos nos momentos de folga.
Essas pedras em particular, embora sejam provavelmente de um período posterior a Jesus, me fizeram refletir sobre minha vida espiritual. Como um soldado entediado passando o tempo em momentos ociosos, eu tinha me tornado complacente e indiferente a Deus e aos outros. Fiquei comovido ao lembrar de que, perto dali, o Senhor foi espancado, zombado, insultado e abusado quando tomou todo o meu fracasso e rebelião sobre si.
“Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:5).
Meu encontro com as pedras ainda me fala da graça amorosa de Jesus que é maior do que todo o meu pecado.