Cheung estava chateado com sua esposa por não verificar as direções para chegar ao restaurante onde jantariam, pois queriam encerrar suas férias com uma deliciosa refeição antes de voltarem para casa. Agora além de atrasados, perderiam essa refeição. Frustrado, Cheung criticou a esposa pelo mau planejamento.
Mais tarde, ele se arrependeu de suas palavras, pois tinha sido muito áspero com ela. E reconheceu que ele mesmo poderia ter verificado as direções e, além disso, não a tinha agradecido pelos outros sete dias de excelente planejamento.
Somos como ele, propensos a explodir quando nos irritamos e a proferir palavras sem controle. Como precisamos orar como o salmista: “Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (v.3).
Mas como fazer isso? Veja esta dica útil: Pense antes de falar. As suas palavras são boas, úteis e compassivas (Efésios 4:29-32)?
Por guarda à nossa boca exige que a mantenhamos fechada, quando estivermos irritados e que procuremos a ajuda do Senhor para dizer as palavras certas no tom certo ou, talvez, calarmos. Quando se trata de controlar a nossa fala, é algo para toda a vida. Felizmente, Deus está agindo em nós, dando-nos a “…vontade dele, tanto no pensamento como nas ações” (Filipenses 2:13, NTLH).
Deus sempre age em nós para que obedeçamos à Sua vontade, no pensamento e nas ações.