Páginas

Pesquisar este blog

sexta-feira, 8 de maio de 2020

Japão se torna 2º país do mundo a aprovar remdesivir para tratar Covid-19
© Reuters / Toru Hanai
Menos de uma semana depois dos Estados Unidos, o Japão se tornou o segundo país a autorizar o remdesivir para tratar pacientes com a Covid-19. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (7) pelo Ministério da Saúde.
Os procedimentos de autorização para um novo medicamento geralmente são longos no Japão, mas excepcionalmente o governo decidiu fazê-lo rapidamente, já que não há um tratamento que tenha passado por todas as etapas de validação. Na sexta-feira (30), o medicamento obteve uma autorização de emergência semelhante da agência americana de medicamentos (FDA), depois de passar por um teste clínico positivo nos Estados Unidos.
O medicamento do laboratório americano Gilead Sciences foi desenvolvido inicialmente para tratar pacientes com febre hemorrágica ebola, mas nunca havia sido aprovado para nenhuma doença antes da Covid-19.
Esta é a primeira terapia a demonstrar alguma eficácia contra a Covi-19 em um ensaio clínico significativo, com mais de 1.000 pacientes.  Pacientes hospitalizados com Covid-19 e tratados com remdesivir reduziram seu tempo de recuperação em quatro dias, de 15 para 11 dias, de acordo com os resultados do estudo americano.
País também testa outro antiviral
Desenvolvido por uma subsidiária do grupo japonês Fujifilm, o Avigan foi autorizado em 2014 no Japão para tratar formas graves de influenza. Devido a efeitos colaterais potencialmente graves, especialmente em mulheres grávidas, só pode ser produzido e distribuído no Japão a pedido do governo.
Após resultados encorajadores de estudos na China, outros ensaios clínicos estão em andamento em todo o mundo para testar a eficácia do Avigan contra o novo coronavírus.
O arquipélago japonês registrou quase 15.500 casos e 550 mortes desde o início da crise da saúde. O governo estendeu o estado de emergência até 31 de maio e pediu à população que evite ao máximo de deslocamentos desnecessários.
(Com informações da AFP)
RFI
fonte:,msn

Nenhum comentário:

Postar um comentário