Páginas

Pesquisar este blog

sábado, 9 de maio de 2020

Recorde de casos e mortes por Covid-19 aponta tendência de antecipação do pico da pandemia

Infectologista defende que população precisa manter distanciamento social para não agravar ainda mais cenário crítico na saúde
Repórter Luciano Marques
A pandemia de covid-19 na última semana mostrou números preocupantes e, segundo especialistas, é o anúncio do pico já esperado no país. Na última quarta-feira, seis de maio, o país bateu o recorde de casos confirmados notificados em 24 horas. Foram registradas mais 10.503 pessoas infectadas. O recorde de mortes ocorreu na sexta-feira, oito de maio, com 751 óbitos.
Em quatro de maio, o número de casos registrados foi de 6.633. Um dia depois, mais 6.935 casos novos entraram para a lista. Quinta-feira (7) e Sexta-feira (8), os índices também foram altos: 9.888 novos casos na quinta, e mais 10.222 casos na sexta. Números que refletem o comportamento do vírus e da população nas últimas semanas.
Justamente por isso, a projeção de autoridades e pesquisadores é que esse cenário pode piorar nos próximos dias por conta do relaxamento do distanciamento social em algumas cidades. O infectologista José David Urbaez acredita que a maior parte dos brasileiros entendeu a importância do distanciamento social para o enfrentamento ao novo coronavírus. Por outro lado, Urbaez teme que a outra parte da população que insiste em desobedecer as orientações das autoridades de saúde possa elevar a pandemia a um nível ainda mais crítico.
“Passamos a ter números maiores de pessoas circulando nas diferentes cidades. Quando há pessoas circulando e formação de aglomerações, quando se tem desqualificação da gravidade da Covid-19 como pandemia, não há outro resultado. Você começa a ter duas ou três semanas depois aumentos importantes no número de casos. Isso é preocupante”, alerta.
Para José David Urbaez, o afrouxamento do distanciamento social gera um “efeito cascata” e expõe moradores de periferias a riscos desnecessários, locais onde direitos básicos não são respeitados.
“Uma boa parte de nós acredita que o Brasil entrará, infelizmente, em um estado de extrema gravidade porque a pandemia se alastra nas regiões periféricas das grandes áreas metropolitanas, onde temos populações extremamente vulneráveis, sem possibilidade de manter um isolamento domiciliar, sem possibilidade de manter medidas básicas de higiene”, pondera.
A orientação do Ministério da Saúde continua sendo a do distanciamento social. Se a pessoa tiver essa opção, ela deve ficar em casa, principalmente cidadãos com 60 anos ou mais ou aqueles que tenham doenças crônicas, como cardiopatia, diabetes, obesidade e asma. Para mais informações, acesse coronavirus.saude.gov.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário