Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Desvende quatro mitos e verdades sobre a micose e veja como evitá-la

A doença afeta unhas em qualquer época do ano, exigindo cuidados específicos no tratamento
A doença afeta unhas em qualquer época do ano, exigindo cuidados específicos no tratamento
Os esmaltem dificultam a penetração do medicamento na unha afetada - ivabalk/Pixabay
Fungos adoram o calor e a umidade, mas engana-se quem acha que micose é uma doença exclusiva do verão. Abafar pés e mãos, além de compartilhar objetos de uso comum – como lixas e alicates, para o caso das unhas – aumentam as chances de contrair micoses, causadas por fungos. 
Confira alguns mitos e verdades comuns sobre o assunto, segundo a dermatologista Dóris Milman Shansis, da marca Loceryl.
 
A MICOSE É CONTAGIOSA
Verdade. “Além de ser transmitida de pessoa para pessoa, pode passar de uma unha para outra, no caso da micose de unhas”, explica. Além disso, a onicomicose, como é conhecida, pode ser “porta de entrada” para outras infecções, como as bacterianas.
 
MICOSE DE UNHA É IGUAL A DE PELE
Mito. A forma de apresentação da doença é diferente nessas regiões e requer terapêuticas adaptadas para o quadro micótico. O tempo de combate varia, mas na onicomicose costuma ser longo, especialmente se há comprometimento maior das unhas. “As condições de saúde de cada pessoa também refletem no tempo de tratamento”, comenta a médica. 
 
OS EFEITOS DA DOENÇA SÃO VISÍVEIS
Verdade. Identifica-se a onicomicose pelo descolamento, deformação e aspecto quebradiço da unha, assim como pelo surgimento de manchas amareladas ou esbranquiçadas. Dóris alerta que o mais adequado nessa hora é procurar o dermatologista, que fará o diagnóstico preciso e definirá o melhor tratamento.
  
ESMALTES NÃO ATRAPALHAM O TRATAMENTO DAS MICOSES
Mito. Eles impermeabilizam e dificultam a penetração do medicamento na unha afetada, na verdade. O ideal é aplicar esmalte antifúngico diretamente na unha, por apresentar alta concentração de substâncias antimicóticas. Se desejar usar esmaltes comuns, eles poderão ser aplicados sobre o antifúngico.
Conteúdo:revista Ana Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário