Páginas

Pesquisar este blog

domingo, 1 de novembro de 2020

Anderson Silva luta bem, mas não consegue resistir a Uriah Hall e é nocauteado no seu adeus ao UFC

Foto: Getty Images

Jamaicano, que respeitou o brasileiro durante toda a luta e só conseguiu o nocaute no quarto round, desaba em lágrimas após a vitória e abraça o Spider: "Ele é o verdadeiro campeão"
Por Combate.com — Las Vegas, EUA
Sonhos nunca morrem e lendas são para sempre. A máxima da imortalidade, que premia os que buscam o impossível, tem em Anderson Silva um dos seus maiores exemplos. Humano fora dos ringues, com defeitos e contradições, sobre-humano dentro dele. Ninguém aliou genialidade e talento dentro de um cage como o menino paulista criado em Curitiba pelos tios e que era fã do Homem-Aranha e sonhava ser policial. Nenhum outro também colecionou tantos momentos icônicos, apresentações geniais ou nocautes memoráveis. O lutador que fez os torcedores vibrarem em suas apresentações como se estivessem assistindo a jogos do Brasil em Copa do Mundo, e que transformou e consolidou o MMA como uma verdadeira paixão no país, reescrevendo a história do esporte, colocou, neste sábado, em Las Vegas, um ponto final no último capítulo da sua carreira no UFC. Aos 45 anos de idade, Anderson não teve a despedida que sonhava ou merecia. Sem a presença do público que o idolatrava, e tendo diante de si o jamaicano Uriah Hall, nove anos novo, o Spider foi superado no quarto round, sofrendo o nocaute técnico a 1m24s de luta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário