Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Ministério da Saúde retira presos de grupo com prioridade para vacinação



 O Ministério da Saúde voltou atrás e decidiu retirar a população carcerária dos grupos prioritários para tomar a vacina contra a covid-19. Esses grupos foram definidos em versão preliminar do PNI (Plano Nacional de Imunização), apresentado em 1º de dezembro.

A pasta havia anunciado que pessoas privadas de liberdade seriam incluídas na 4ª fase do 1º ciclo de vacinação, voltada a públicos com prioridade. Eis a íntegra (553 KB) do comunicado divulgado na ocasião.

O anúncio do plano de imunização em que consta a informação, no entanto, foi editado posteriormente. O site do Ministério da Saúde aponta que o texto foi atualizado pela última vez na 6ª feira (4.dez). Eis a íntegra (128 KB).

Na nova versão, todos os grupos prioritários listados foram mantidos, com exceção da população privada de liberdade. Em contato com o Poder360, a Saúde justificou que, como o PNI (Plano Nacional de Imunização) é preliminar, “o planejamento dos grupos a serem vacinados e fases podem sofrer alterações”.

“A definição de grupos de risco (e posteriormente de grupos prioritários para serem vacinados) depende dos estudos epidemiológicos e dos resultados da fase III de cada vacina, que definirão a bula do imunológico”, afirmou o ministério.

Compare abaixo os trechos dos 2 textos. O grifo é da reportagem do Poder360.

Eis o trecho publicado em 1º de dezembro:

“Na primeira fase, conforme a chefe do PNI, devem entrar trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas) e população indígena. Em um segundo momento, entram pessoas de 60 a 74 anos. A terceira fase prevê a imunização de pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença (como portadores de doenças renais crônicas e cardiovasculares). A quarta e última deve abranger professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade.“

Eis o mesmo trecho depois da atualização:

“Na primeira fase, conforme a coordenadora do PNI, devem entrar trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas) e população indígena. Em um segundo momento, entram pessoas de 60 a 74 anos. A terceira fase prevê a imunização de pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença (como portadores de doenças renais crônicas, cardiovasculares, entre outras). A quarta e última fase deve abranger professores, forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional.”

Eis a íntegra da nota do Ministério da Saúde enviada ao Poder360:

“A definição de grupos de risco (e posteriormente de grupos prioritários para serem vacinados) depende dos estudos epidemiológicos e dos resultados da fase III de cada vacina, que definirão a bula do imunológico. É importante ressaltar que os grupos prioritários ainda estão sendo definidos pelo Ministério da Saúde. O Plano de Nacional de Imunização ainda é preliminar, e o planejamento dos grupos a serem vacinados e fases podem sofrer alterações.

Além disso, o Brasil e o mundo ainda carecem de mais estudos quanto à taxa de transmissibilidade e de letalidade para que se justifique a priorização do grupo daqueles privados de liberdade. Além disso, a inclusão de outros grupos prioritários ocorrerá à medida em que mais doses e vacinas sejam disponibilizadas – após licenciamento pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e dos acordos de aquisição de vacinas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário