Páginas

Pesquisar este blog

27/01/21

 

Entregador de comida persegue assaltante na Zona Sul do Rio, entrega celular para motorista e recusa recompensa

Diego Batista: coragem e decisão de recusar gratificação lhe renderam muitos elogios nas redes sociais
Diego Batista: coragem e decisão de recusar gratificação lhe renderam muitos elogios nas redes sociais Foto: Instagram @moto_boyzs / Reprodução / Agência O Globo
Louise Queiroga
Foto: Instagram @moto_boyzs / Reprodução / Agência O Globo

Para a motorista de aplicativo Ana Paula Demarchi, anjo da guarda anda de motocicleta, leva uma caixa térmica nas costas e tem nome: Diego Batista Correia. Ele é um entregador de comida que, na noite do último domingo, perseguiu um assaltante e recuperou o celular e a bolsa dela no Flamengo, na Zona Sul do Rio. E, apesar de sempre torcer para receber gorjetas no trabalho, recusou-se a aceitar uma gratificação pelo ato de heroísmo.

Diego, de 27 anos, costuma fazer entregas na região de Laranjeiras, mas, pouco antes de ajudar Ana Paula, havia levado uma encomenda para o Leme. Quando passava pela Avenida Oswaldo Cruz, viu um jovem se aproximando de um carro. Num primeiro momento, imaginou que era um vendedor de balas. Mas, observando melhor, percebeu que ele ameaçava a motorista com uma faca.

— Naquele momento, pensei que poderia ser minha mãe ali. Eu estava a cinco metros de distância e esperei. Vi que a motorista estava em pânico, com a faca encostada no pescoço. No momento em que o assaltante pegou as coisas e saiu correndo, fui atrás, na contramão. Gritei “ladrão, ladrão”, mas não tinha ninguém para me ajudar. Logo depois, o bandido tropeçou, e acabou largando o telefone e a bolsinha que havia roubado — contou Diego, que voltou ao local do crime e encontrou Ana Paula aos prantos.

A motorista relatou o caso nas redes sociais, e a repercussão foi grande. Diego, que tem duas filhas e saiu de Vitória, no Espírito Santo, para tentar a sorte no Rio, recebeu muitos elogios. Ana Paula usou uma palavra para descrever o que sentiu quando o entregador voltou com seus pertences: “gratidão”. “Ele foi um anjo que Deus colocou em meu caminho. Não quis nada, insisti para receber uma caixinha, mas não aceitou em hipótese nenhuma, mesmo eu falando que era de coração e que ele merecia muito mais”, escreveu. E completou: “Parabéns ao Diego e à mãe dele, pela educação, pela idoneidade e pelo caráter. Que Deus o abençoe e o proteja todos os dias”.

fonte;https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário