Páginas

Pesquisar este blog

14/02/21

 

Vídeocurrículo é cada vez mais exigido em seleções de emprego; veja como fazer o seu

Elaborar roteiro e treinar apresentação são etapas fundamentais antes de começar a gravar
Elaborar roteiro e treinar apresentação são etapas fundamentais antes de começar a gravar Foto: Pixabay
Letycia Cardoso
Pixabay

Para conseguir uma nova vaga de emprego não basta enviar o currículo e participar de entrevistas. Agora, as empresas estão exigindo também o vídeocurrículo, uma espécie de mídia de apresentação para agilizar as etapas presenciais, reduzir os custos de deslocamento para o candidato e ampliar a seleção com a integração de profissionais de outras cidades.

A mentora de carreiras Ticyana Arnaud explica que o arquivo ajuda o recrutador a escolher quem vai convidar para uma entrevista presencial, por meio da análise de características individuais.

— Pelo vídeo dá para perceber se o candidato tem os mesmos valores da empresa, além de observar aspectos comportamentais. Para uma vaga de vendedor, por exemplo, a pessoa precisa ser dinâmica, extrovertida, porque vai lidar com o cliente — diz.

Mentora de carreiras, Ticyana Arnaud dá dicas para se dar bem em seleção com vídeo currículo
Mentora de carreiras, Ticyana Arnaud dá dicas para se dar bem em seleção com vídeo currículo Foto: Arquivo pessoal

foto:Arquivo pessoal

No Recruta Stone, por exemplo, maior programa de talentos da empresa de pagamentos, o vídeocurrículo é a quarta etapa do processo, usado para avaliar a capacidade de síntese do candidato e a de se comunicar de forma clara e estruturada. De acordo com a companhia, também são observadas a personalidade e a autenticidade dos participantes ao contar os principais pontos de sua trajetória de vida, por meio de uma linha de raciocínio clara. Para aqueles que não se sintam confortáveis em fazer o vídeo ou estejam impossibilitados no momento, há a opção de enviar uma gravação de áudio.

Geralmente, as companhias que solicitam o vídeo de apresentação já mandam uma lista de perguntas que precisam ser respondidas, como “Porque deseja trabalhar na empresa?” ou “Por qual motivo escolheu a profissão que exerce?”. Para se sair bem, Ticyana sugere fazer um roteiro , treinar as respostas e falar sorrindo para a câmera.

— Na maioria das vezes, os vídeocurrículos devem ser gravados por meio da plataforma de seleção, com a webcam. Então, não há como editar. Por isso, é essencial treinar para não deixar de falar coisas importantes — orienta a mentora: — Além disso, falar sorrindo passa a ideia de ser uma pessoa carismática. Às vezes, mesmo sendo simpático, o candidato fica tenso e transmite uma imagem sisuda.

‘Achei que seria rápido, mas gastei uma tarde’

Depoimento: Alessandra Iara Kleie, 33 anos, assistente financeiro

Depois de passar por várias seleções, Alessandra conseguiu um novo emprego em fevereiro
Depois de passar por várias seleções, Alessandra conseguiu um novo emprego em fevereiro Foto: Arquivo pessoal

foto:Arquivo pessoal


"Perdi o emprego em dezembro e, de lá para cá, já fiz dois processos seletivos que exigiram a gravação de um vídeo. A exigência era que tivesse duração de até três minutos e que eu falasse de mim, da minha trajetória profissional e da expectativa salarial. Achei que seria rápido, mas gastei uma tarde inteira. Gravei várias vezes com meu próprio celular até ficar bom. Tenho percebido que os processos estão mais criteriosos, com várias etapas, porque há muitos candidatos disponíveis."

Gravação aumenta as chances

Especialistas acreditam que, mesmo que o vídeocurrículo não seja solicitado, os candidatos que tiverem a possibilidade de gravar uma apresentação devem enviá-la à empresa que oferece a vaga de emprego. Antonio Ornellas, especialista em gestão de carreiras, diz que a gravação aumenta as chances de contratação por ser “uma forma inovadora e impactante de se apresentar num mercado competitivo”. Por meio dela, podem ser analisadas a desenvoltura e a comunicação do candidato.

— Para quem concorre a oportunidades nas áreas comercial, de marketing, de comunicação e até de alta liderança, seria de grande valia. O vídeocurrículo pode ser até considerado um diferencial — opina Ornellas.

Cláudio Riccioppo, CEO da Employability e especialista em Recursos Humanos, concorda. Para ele, a junção de um currículo enxuto, de até duas páginas, e um vídeo de suporte, que complemente as informações, pode ser “uma arma e tanto” a favor do concorrente:

— Se o candidato tem um material de alta qualidade e, durante o vídeo, apresenta experiências altamente relevantes que permitam ao recrutador entender mais facilmente que ele é o profissional ideal para resolver o problema da empresa, ele não só pode como deve enviar — aconselha Riccioppo.

Com muitas pessoas fora do mercado de trabalho em busca de uma nova oportunidade, o especialista em RH alerta que todo detalhe faz diferença. Por isso, sugere utilizar para a gravação um aparelho que tenha boa resolução de imagem, evitar a presença de ruídos e, se for possível, usar algum tipo de edição que ajude a aumentar a qualidade do produto final.

Figurino deve ser adequado

A preocupação não deve ser apenas com o conteúdo do vídeo e com a postura na hora da gravação. A apresentação pessoal, incluindo a escolha de roupas, acessórios e maquiagem, também deve ser cuidada. Segundo Aline Sousa, especialista em recrutamento e seleção, devem ser seguidos os mesmos padrões que deveriam ser respeitados em caso de uma entrevista presencial:

— É importante fazer uma pesquisa sobre a cultura organizacional da empresa e descobrir qual é o dress code (código de vestimenta) que utilizam. Se está se candidatando para uma companhia mais conservadora, não faz sentido fazer a apresentação com uma roupa despojada, porque isso pode ser mal visto. Por outro lado, se estiver concorrendo a uma vaga em startup, não deve vestir terno e gravata — diz.

Aline ainda acrescenta que decotes acentuados, camisetas regatas, óculos escuros e mascar chiclete ao falar podem prejudicar o candidato. Outra coisa que pode eliminar da disputa é não saber se expressar com segurança:

— Pratique o autoconhecimento para saber destacar seus pontos fortes — comenta: — Essa prática do vídeo já vinha sendo usada pelas empresas, mas agora, com a pandemia, se intensificou.


fonte:extra.globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário