Páginas

Pesquisar este blog

18/03/21

 

Cientistas produzem em laboratório glândulas lacrimais que 'choram'

Por: Fernando Moreira 
As glândulas antes (à esquerda) e depois do 'choro': as formas circulares indicam lágrimas
As glândulas antes (à esquerda) e depois do 'choro': as formas circulares indicam lágrimas Foto: Reprodução

 Foto: Reprodução

Glândulas lacrimais humanas, fora de um corpo, que choram. Parece cena de filme de ficção científica, mas é pura ciência. Pesquisadores do Instituto Hubrecht e da UMC Utrecht (Holanda) usaram células-tronco para desenvolver pequenas glândulas lacrimais em uma placa de Petri (recipiente cilíndrico, achatado, de vidro ou plástico que os profissionais de laboratório utilizam para a cultura de microorganismos) que imitam a situação real, produzindo lágrimas de verdade.

Os cientistas esperam que esses chamados organoides possam servir como modelos para estudar como as células das glândulas lacrimais humanas produzem lágrimas. O objetivo final é compreender e tratar melhor as condições como a doença do olho seco ou a síndrome de Sjögren autoimune, bem como o câncer da glândula lacrimal.

"Esperamos que, no futuro, este tipo de organoide pode até ser transplantado para pacientes com glândulas lacrimais não funcionais", disse Marie Bannier-Hélaouët, aluna de doutorado no Instituto Hubrecht na área de Biologia do Desenvolvimento e Pesquisa com Células-tronco. Ela é co-autora de um estudo publicado na terça-feira na revista "Cell Stem Cell" que detalha o projeto.

Os organoides são construídos in vitro, em suspensão 3D, a partir de um pequeno número de células-tronco que eventualmente se multiplicam para formar algo semelhante a um órgão real, como um minicéfalo, bexiga ou, neste caso, as glândulas localizadas dentro da pálpebra superior.

As manifestações circulares indicam lágrimas produzidas pelas glândulas criadas em laboratório na Holanda Foto: Reprodução

As glândulas lacrimais fornecem continuamente fluido que passa pela superfície do olho toda vez que piscamos. Esse fluido é drenado para pequenos orifícios nos cantos das pálpebras superior e inferior antes de descer pelos canais lacrimais até o nariz. Além de demonstrar emoção, o fluido é essencial para a saúde dos olhos, lubrificando a córnea e ajudando a afastar as bactérias. A disfunção da glândula lacrimal pode ser irritante, causando sensação de coceira, ardência ou queimação e sensibilidade à luz. Mas também pode ser grave, levando a escoriações ou ulcerações da córnea ou até cegueira nos casos mais graves.

As glândulas lacrimais são compostas por vários tipos de células. As glândulas cultivadas em laboratório na Holanda são compostas de apenas um tipo, ductal, e choram em resposta a estímulos químicos como a noradrenalina, um neurotransmissor que envia uma mensagem de nossos neurônios para nossas glândulas lacrimais

fonte:https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário