Páginas

Pesquisar este blog

03/03/21

 Em Prudente, etanol e gasolina estão R$ 0,81 e R$ 0,65 mais caros

Pode ser uma imagem de carro

Foto: Weverson Nascimento

Comparativo com os valores de comercialização dos produtos em janeiro mostra reflexos dos reajustes recentes nos preços das refinarias
PRUDENTE - GABRIEL BUOSI de O Imparcial de Presidente Prudente
Os combustíveis estão mais caros e em Presidente Prudente. A reflexo do que ocorre em todo o país, os consumidores também já encontram os produtos com preços mais elevados nas bombas. Ontem, por exemplo, a comercialização do etanol apresentou um preço médio de R$ 3,68, R$ 0,81 a mais do que em janeiro, enquanto que a gasolina foi vendida com o valor médio de R$ 5,21, R$ 0,65 mais cara que no primeiro mês do ano.
A comercialização da gasolina na cidade, ontem, nos postos pesquisados pela reportagem, chegou a oferecer preços entre R$ 4,999 e R$ 5,279, enquanto que o etanol foi encontrado pelo valor mínimo de R$ 3,499 e máximo de R$ 3,799. O diesel, por sua vez, chegou ao valor médio de R$ 4,43, ou R$ 0,65 a mais que em janeiro.
Reajuste nas refinarias
Vale lembrar que, desde ontem, conforme a Petrobras, os preços médios nas refinarias são de R$ 2,60 por litro para a gasolina e R$ 2,71 por litro para o diesel, após aplicação de reajustes de R$ 0,12 e de R$ 0,13 por litro respectivamente, o que pode trazer impactos no preço de venda. Segundo a empresa, o alinhamento dos valores ao mercado internacional, o que ocorreu, é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros refinadores, além da Petrobras.
“Este mesmo equilíbrio competitivo é responsável pelas reduções de preços quando a oferta cresce no mercado internacional, como ocorrido ao longo de 2020”. Além disso, em nota, a Petrobras afirmou que os preços praticados por ela, e suas variações para mais ou para menos associadas ao mercado internacional e à taxa de câmbio, têm influência limitada sobre os preços percebidos pelos consumidores finais. “O preço da gasolina e do diesel vendidos na bomba do posto revendedor é diferente do valor cobrado nas refinarias da Petrobras. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos postos revendedores de combustíveis”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário