Páginas

Pesquisar este blog

25/04/21

 

Santa Casa de Venceslau terá 20 leitos de UTI a partir de maio

A partir do dia 3 de maio, a Santa Casa de Presidente Venceslau irá oferecer dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para auxiliar a assistência de pacientes com covid-19 e outras complicações durante o período de pandemia, totalizando 20 leitos na unidade. O custeio será feito por meio de convênio com o governo estadual, que prevê repasse de R$ 3,42 milhões para um período de seis meses. A informação é do jornal Integração e foi confirmada pelo PORTAL BUENO na manhã deste sábado (24).

A diretoria do hospital explicou que os novos leitos serão de nível avançado, do tipo III, com o oferecimento do serviço de hemodiálise e acompanhamento de profissionais como fonoaudiólogo, psicólogo, assistente social e outros. Agora, além dos outros dez leitos tipo II já oferecidos pela unidade, o hospital terá a possibilidade de receber mais pacientes de alta complexidade.

Os novos leitos de UTI da Santa Casa de Presidente Venceslau são instalados no local onde funcionava a ala de pediatria. O local passa por adequações como a instalação de encanamento adequado para hemodiálise, tubos para oxigenoterapia em todos os quartos, instalação de ar condicionado, além de janelas e portas compatíveis. "A previsão é que possamos abrir essa UTI no dia 3 de maio, e eu acredito que a gente vai conseguir cumprir. Estamos adequando o espaço, fazendo as alterações que precisam ser feitas para receber mais pacientes", informou Susierléia Bonifácio, administradora hospitalar.

Os R$ 3,42 milhões que serão repassados ao hospital por meio de convênio com o governo estadual serão divididos pelos seis meses de funcionamento destes dez novos leitos de UTI. Em uma divisão rápida, o recurso será fracionado em R$ 570 mil por mês. Com este valor, serão efetuados pagamentos mensais para a equipe médica terceirizada que irá gerenciar a UTI, de R$ 360 mil; R$ 90 mil para outra empresa que fará a locação dos equipamentos para os quartos, tais como ventilador, bomba de infusão – quatro aparelhos deste tipo -, monitor cardíaco e desfibrilador; e R$ 120 mil para comprar insumos e medicação, além do gasto com oxigênio.

Durante as adequações no prédio, a Prefeitura de Presidente Venceslau auxiliou a Santa Casa com recursos na casa de R$ 25 mil. O valor foi investido na instalação dos tubos para ligação do tanque de oxigênio trocado recentemente pelo hospital aos quartos da nova UTI. Para preparar a estrutura, a Santa Casa também conta com o auxílio da população local. "A gente precisa de aspirador, o VNI (ventilação não-invasiva), de máscaras, de equipos, então tudo isso é o custeio que você precisa ter para manter essa UTI. Nada a gente consegue se não for uma ajuda coletiva", ressaltou Bonifácio.

A terceirização do serviço da nova UTI já foi acertada pela Santa Casa. Foi firmado contrato de seis meses com a empresa Lifecare, que ficará responsável pelo envio e gestão de toda a equipe médica, intensivista, coordenador, equipe de enfermagem, fisioterapeuta e demais integrantes da equipe multiprofissional. "Os funcionários não são contratados pela Santa Casa. Isso também foi um diferencial, porque não temos como aumentar nossa folha de pagamento, não temos como arcar com mais essa despesa, lá na frente, na hora que rompesse o convênio, teríamos que ter recursos para dispensar esses funcionários. Isso a gente não tem condição de fazer", justificou a administradora.

A princípio, o contrato de convênio da UTI terá validade de seis meses, com vencimento previsto para outubro. Caso a pandemia ainda esteja em alta, o contrato será renovado por mais seis meses. "É uma coisa que já foi alinhada com o estado. A gente não iria fazer uma implantação dessas se não tivesse essa segurança do estado. Inicialmente queriam fazer o convênio para três meses, foi por isso que demorou um pouco essa negociação, porque nós não aceitamos essa proposta. Infelizmente, fazer todo um gasto de estruturação para ficar apenas três meses não adiantaria nada", revelou a administradora.

Durante o período de instalação dos dez novos leitos de UTI, o espaço de pediatria foi deslocado para a parte do prédio onde funciona a maternidade. Após o término do convênio, a pediatria retornará ao seu espaço original e poderá usufruir das benfeitorias estruturais realizadas.

A estratégia foi adotada com a finalidade de não misturar o fluxo de funcionários e pacientes de diferentes alas, de modo a evitar o contágio. Atualmente, segundo a diretoria do hospital, o índice de funcionários contaminados pela covid-19 é bem baixo, situação que já rendeu elogios ao hospital.

Os dez leitos oferecidos atualmente pela Santa Casa de Presidente Venceslau não contam com o serviço de hemodiálise. Com a chegada dos novos leitos, será realizada uma experiência para estudar a possibilidade de implementar o serviço nos dez leitos que permanecerão após o período de convênio. A diretoria explica que o serviço de hemodiálise exige não apenas o equipamento, mas uma equipe especializada, contando com médico especialista para a função, e também recursos para aquisição de insumos. "Independente, neste momento vai ser feita permuta entre as UTIs, então se um paciente da UTI geral precisar de um leito na UTI com hemodiálise, a gente vai conseguir fazer essa permuta e dar uma condição de tratamento para ambos os pacientes, para os vinte pacientes que tiverem internados".

Mesmo com o aumento do número de leitos na Santa Casa, a população deverá se manter em alerta durante a pandemia de covid-19. A taxa de ocupação de leitos de UTI no Departamento Regional de Saúde (DRS) de Presidente Prudente era de 98% nesta quinta-feira (22). "Realmente, ainda é preocupante. Demonstra-se a falta de leitos de UTI para salvar mais vidas. Esse paciente precisa chegar até a UTI antes, não deixar piorar para chegar até a UTI. Isso é importante frisar para toda a população. Começou a ter os sintomas da covid-19, procure uma orientação. Procure o centro covid-19, a atenção básica. [...] Muitas vezes, não é necessário ministrar medicação alguma, 80% dos casos são assintomáticos. A pessoa entra com hidratação, com remédio para dor no corpo, dor de cabeça e só. Passa a covid-19 e ele não sente nada. Mas tem muitas pessoas que acabam agravando. Esses 20% que muitas vezes é aquele que vai agravar, se ele não procura em tempo hábil, quando procura já chega com o pulmão 80%, 90% comprometido. E aí é difícil fazer alguma reversão. A população precisa entender a responsabilidade em relação ao próprio cuidado e ao não passar nada pra ninguém", reforçou Susierléia.

José Luiz Ghizzi, provedor da Santa Casa de Presidente Venceslau, explicou que a unidade de saúde de Presidente Venceslau foi a segunda da região a celebrar este convênio com o governo estadual. "A Santa Casa de Presidente Venceslau foi uma das escolhidas pelo que ela tem, essa capacidade de adequação para poder receber esses dez leitos", pontuou. A primeira unidade escolhida na região para receber mais leitos foi Dracena, por conta do aumento considerável de casos. "Venceslau foi a segunda por conta da estrutura, da adequação e por conta de trabalhar com a covid de uma forma bastante exemplar. [...] Temos hoje médicos muito competentes, que sabem o que fazem. A gente consegue realmente ter uma demanda externa, hoje recebemos muitos pacientes de Presidente Prudente, Dracena, que chegam e ficam na nossa unidade", completou Susierléia.

As informações são do Jornal Integração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário