Páginas

Pesquisar este blog

13/04/21

 

Caçador mata jacaré de 3,6 metros e resolve mistério de cães desaparecidos há 24 anos

Por: Fernando Moreira
Jacaré morto e placas de coleiras de cães achadas no seu estômago
Jacaré morto e placas de coleiras de cães achadas no seu estômago Foto: Reprodução/Facebook(/Kenneth Cordray)
 Foto: Reprodução/Facebook(/Kenneth Cordray)

Um caçador que matou um aligátor (jacaré americano) de 3,6 metros de comprimento para fazer linguiças acabou resolvendo um mistério de 24 anos sobre o desaparecimento de cães de estimação.

Ned McNeely matou o enorme jacaré, que pesava 205 quilos, na Carolina do Sul (EUA) e o levou a um açougue e a especialistas em taxidermia para que a carne pudesse ser transformada em linguiças e o corpo preenchido para ficar exposto.

Porém, ao abrir o estômago do réptil, os especialistas encontraram cinco etiquetas metalizadas de identificação, entre vários outros itens indigestos.

"Ele realmente comia os cães", disse a taxidermista Claudia Cordray, em reportagem da WIS-TV. "Era um bicho velho, de 50 a 70 anos", acrescentou ela.

A equipe que descobriu as etiquetas conseguiu identificar um número de telefone em uma delas e ligou para a pessoa.

Em um post na página no Facebook, os donos da loja de taxidermia disseram que, quando ligaram para o número, eles descobriram que o homem do outro lado da linha costumava caçar na mesma área e que as tags estavam nas coleiras de seus cães, que desapareceram há 24 anos.

Quando a equipe abriu o estômago do animal, eles também encontraram um colete à prova de bala, uma vela de ignição, vários cascos de tartaruga e várias garras de lince.

Jacaré de 3,6 metros abatido na Carolina do Sul
Jacaré de 3,6 metros abatido na Carolina do Sul Foto: Reprodução/Facebook(/Kenneth Cordray)

 Foto: Reprodução/Facebook(/Kenneth Cordray)

Kenneth Cordray, que dirige a loja com a família, disse que os crocodilos da região crescem de acordo com o suprimento de alimentos e a população. Por isso a família acredita que o animal seja velho.

fonte:https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário