Páginas

Pesquisar este blog

22/05/21

Campanha contra a febre aftosa segue até 31 de maio

Pode ser uma imagem de animal e ao ar livre

Foto: Arquivo

Coordenadoria de Defesa Agropecuária traz dados de quantas propriedades e animais deverão participar da campanha, que teve início em 1º de maio
REGIÃO - GABRIEL BUOSI de O Imparcial de Presidente Prudente
Campanha de vacinação contra a febre aftosa segue até o fim deste mês
Segue até o último dia desse mês o prazo para a imunização de bovídeos (bovinos e bubalinos) de todas as idades nesta primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Estado de São Paulo, conforme divulga a Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Dados da CDA (Coordenadoria de Defesa Agropecuária) extraídos até o dia 10 de maio mostram que nesta etapa os números são os seguintes para a participação da campanha na região: EDA (Escritório de Defesa Agropecuária) de Dracena, com 3.931 propriedades com bovídeos e 317.674 animais cadastrados; EDA de Presidente Prudente, com 6.279 propriedades e 731.868 bovídeos cadastrados; e EDA de Presidente Venceslau, com 7.034 propriedades com bovídeos e 787.511 bovídeos cadastrados.
Conforme a Coordenadoria de Defesa Agropecuária, apesar das medidas em vigor de combate à Covid-19, as atividades relacionadas à imunização contra as doenças que apresentam alto impacto comercial e na saúde animal, como a febre aftosa, devem ser mantidas. “Os proprietários devem adotar medidas que minimizem o contato social para adquirirem as doses da vacina, de preferência entrando em contato com as revendas e agendando, quando possível, a entrega na propriedade rural”, orienta o médico veterinário Adriano Macedo Debiazzi, que atua junto à Coordenadoria responde pelo Programa Estadual de Controle e Erradicação da Febre Aftosa.
Ainda de acordo com a CDA, a declaração da vacinação deve ser realizada, de preferência, por meio eletrônico, através do sistema informatizado Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal). “Quando não for possível, o produtor poderá acessar a declaração na internet, preenchê-la e encaminhá-la por e-mail”. A data-limite para entrega da declaração da vacinação é 7 de junho.
Atenção às sanções
Vale destacar que deixar de vacinar e de comunicar a vacinação sujeita o criador a multas de cinco Ufesps (Unidades Fiscais do Estado de São Paulo), ou seja, R$ 145,45 por cabeça por deixar de vacinar, e três Ufesps, ou R$ 87,27 por cabeça por deixar de comunicar. O valor de cada Ufesp é de R$ 29,09.
SAIBA MAIS
Em 2020, a campanha foi excepcionalmente realizada durante os meses de maio e junho em função da pandemia causada pela Covid-19. Os índices de vacinação alcançados por essas regiões foram: EDA de Dracena: 99,87%; EDA de Presidente Prudente: 99,88%; e EDA de Presidente Venceslau: 99,82%.
COMO VACINAR:
- A primeira providência é adquirir as vacinas em estabelecimentos cadastrados junto à Coordenadoria de Defesa Agropecuária;
- No momento da compra, o volume adquirido pelo criador é transferido, por meio do sistema, para o estoque da propriedade, o que facilita a declaração da vacinação pelo criador;
- A vacina, que nunca pode ser congelada, deve ser mantida entre 2 e 8 graus Celsius, tanto no transporte como no armazenamento, usando uma caixa de isopor, com dois terços de seu volume em gelo para que a vacina não perca sua eficácia;
- Para realizar a vacinação deve ser escolhido o horário mais fresco do dia, classificando os animais por idade e sexo, para evitar acidentes;
- Usar seringas e agulhas novas e higienizadas, sem o uso de produtos químicos (nem álcool, nem cloro);
- O local da aplicação é no terço médio do pescoço (tábua do pescoço) por via subcutânea (abaixo do couro);
- Independentemente da idade, a dose é de 2 ml de vacina.
Fonte: Coordenadoria de Defesa Agropecuária

Nenhum comentário:

Postar um comentário