Páginas

Pesquisar este blog


11/10/21

 

Tá com as contas no vermelho? Veja como limpar o nome em apenas dez passos

Fazer uma lista com todos os gastos ajuda a ver onde se está gastando a mais e o que pode ser cortado ou reduzido
Fazer uma lista com todos os gastos ajuda a ver onde se está gastando a mais e o que pode ser cortado ou reduzido Foto: Arquivo
Martha Imenes
Foto: Arquivo

A semana que passou revelou números alarmantes sobre o endividamento das famílias brasileiras: 74% delas têm dívidas a vencer, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), e 41,4% estão com contas em atraso há mais de 90 dias. Para tentar escapar desta situação, os consumidores inadimplentes podem se cadastrar, até 26 de outubro, para participar do primeiro mutirão de negociação de débitos dos superendividados promovido pelo Procon-RJ. Ainda de acordo com o levantamento da CNC, os maiores vilões do endividamento são: cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal e prestações de carro e de casa. Para ajudar o leitor, o EXTRA fez um passo a passo de como não cair no vermelho. Se já caiu, saiba que há como sair.

Do total de famílias endividadas, 84,6% fecharam setembro devendo no cartão de crédito, um novo recorde para a modalidade, com um aumento de 5,6 pontos percentuais na comparação anual. Dívidas com carnês de lojas foram relatadas por 18,8% das pessoas, e o financiamento de carro, por 13,2%.


O educador financeiro Alexandre Prado explica que o principal passo é evitar a roda-viva: esse ciclo começa com falta de educação financeira, acesso fácil ao crédito e ausência de planejamento.

— Sempre que for possível, pague à vista. Nenhuma aplicação financeira rende mais do que os juros cobrados em financiamentos. O melhor a fazer é evitar parcelamentos — explica.

Outro ponto é a utilização dos limites do cheque especial e do cartão de crédito como se fossem parte do salário. Segundo Prado, “esse é um dos erros mais comuns de quem cai no endividamento descontrolado. A fatura do cartão de crédito tem que ser paga na data, e não rolada”.

Se o orçamento familiar já está muito apertado, como fazer para esticar o dinheiro, sem precisar lançar mão do cheque especial ou do cartão de crédito? A resposta vem do economista e professor do Ibmec/RJ Gilberto Braga:

— É preciso listar todos os gastos, inclusive com padaria, lanches e pedidos de delivery, além das despesas fixas com imóvel (aluguel ou financiamento), energia, gás, plano de telefonia, taxas, TV a cabo, combustível, entre outros, e checar o que pode ser reduzido e até cortado.

Dessa forma, diz o professor, será possível fazer o dinheiro render um pouco mais. Outra dica importante: na hora de fazer compras nos supermercados, opte pelas promoções do dia que todas as grandes redes fazem.

Mutirão no Procon-RJ

Procon-RJ está com inscrições abertas para o primeiro mutirão de negociação de débitos dos superendividados. Até o dia 26, quem estiver com o nome no vermelho poderá se inscrever para negociar seus débitos. O formulário de cadastramento está disponível no link bit.ly/mutirao-superendividados. Vão participar desta ação bancos, financeiras, grandes empresas varejistas, concessionárias de serviços públicos e outros fornecedores.

O órgão informou que as regras deste mutirão serão diferentes das adotadas em campanhas anteriores. Para começar, a Lei 14.181/2021 — que entrou em vigor em julho deste ano e trata do superendividamento — será a base das negociações entre credores e consumidores.

Os superendividados são aqueles que, de boa fé, não conseguem arcar com suas dívidas, vencidas e a vencer, sem comprometer seu mínimo existencial.

A legislação aprovada por conta da pandemia de coronavírus propõe que sejam feitas negociações coletivas de forma que o orçamento mínimo familiar do superendividado seja preservado e, com isso, o nome do devedor saia dos cadastros restritivos de crédito.

Ao contrário das ações anteriores, esse mutirão será virtual, e a participação do consumidor será confirmada somente após a análise do formulário de inscrição. Para isso, os servidores do Procon-RJ vão avaliar se a pessoa se enquadra ou não no conceito de superendividamento previsto na lei.

Os consumidores inadimplentes que estiverem aptos a participar do evento serão chamados para audiências de conciliação via Procon-RJ com os credores de uma só vez, para que seja definido um plano ideal de pagamento, que poderá ser parcelado em até cinco anos.

Negociação via plataforma da Serasa

Brasileiros endividados podem renegociar suas dívidas pela plataforma da Serasa, acessando o link www.serasa.com.br/limpa-nome-online. Empresas de diversos setores permitem que os consumidores paguem seus débitos com descontos. Na campanha Limpa Nome, esse percentual de abatimento, segundo a instituição, pode chegar a 99%.

Os acordos, de acordo com a Serasa, são fechados em menos de três minutos. As consultas podem ser feitas de forma gratuita, nos seguintes canais: no site serasalimpanome.com.br; no aplicativo Serasa, disponível no Google Play e na Apple Store; via WhatsApp (11) 99575-2096; ou por ligação gratuita para 0800-591-1222.

Para realizar a negociação pela plataforma basta seguir alguns passos:

Primeiramente, é preciso acessar o site ou baixar o aplicativo disponível gratuitamente. Em seguida, deve-se digitar o CPF e seguir com o preenchimento do cadastro. É possível também regularizar débitos financeiros pelo WhatsApp, por meio do número (11) 98870-7025.

Ao entrar na plataforma, todas as informações financeiras do consumidor já aparecerão na tela, incluindo as dívidas que ele tiver. Se quiser conhecer as condições oferecidas para pagamento, basta clicar em uma das opções, e serão apresentadas as diferentes condições para renegociar cada débito.

Depois de escolher uma das opções de valor, basta escolher se o pagamento será à vista ou em parcelas e a melhor data de vencimento. A plataforma vai gerar um ou mais boletos, dependendo da forma de quitação escolhida, já com a data selecionada. O boleto poderá ser pago de forma on-line, em agências bancárias ou em lotéricas.

PARA SAIR DO CADASTRO NEGATIVO E NÃO VOLTAR

Nada de cheque especial e cartão

O consumidor que já estiver no vermelho tem que evitar o uso do cheque especial ou o pagamento parcial do cartão de crédito, alerta Gilberto Braga, economista e professor do Ibmec/RJ e da Fundação D. Cabral.

Troque a dívida

Para quitar dívidas com cheque especial e cartão de crédito, é recomendável fazer um empréstimo no banco, que costuma sair mais barato, especialmente se for consignado, por causa dos juros mais baixos, orienta o economista.

Renegocie os débitos

Para tentar diminuir a cobrança dos encargos, o ideal é renegociar as dívidas. Caso os juros pareçam abusivos, procure orientação em órgãos de defesa do consumidor, como Procon e Defensoria Pública.

Anote os gastos

Essa é a melhor forma de manter as finanças sob controle. Mas não pode deixar escapar nada: do café na padaria às compras no supermercado, tudo deve estar listado.

Faça uma lista antes das compras

Antes de ir ao supermercado, prepare uma lista do que realmente precisa. O ideal é aproveitar os dias de promoção de cada item, como carnes, frutas e legumes.

Pesquise preços

Não compre por impulso. Pesquise antes o valor do produto em locais diferentes. Existe muita variação de preços.

Controle as contas

Procure economizar com telefone, água, pacote de internet, TV por assinatura e energia elétrica.

Corte supérfluos

Espere a situação melhorar para trocar eletrodomésticos, comprar um carro novo ou fazer viagens caras.

Junte dinheiro

Estipule um valor mensal para ter um fundo de emergência ou mesmo para a compra de itens de desejo ou o pagamento de viagens. O ideal é que seja de pelo menos 10% da renda mensal.

Converse com a família

O problema deve ser compartilhado. Não adianta apenas um tentar. Todos devem cooperar para evitar gastos.

CINCO PASSOS PARA REDUZIR CUSTOS

Vasculhar a casa em família

O ideal é a participação de toda a família para vasculhar e separar tudo o que não foi usado nos últimos seis meses e está em bom estado, para que outra pessoa possa comprar, como roupas e eletrodomésticos. A dica é do educador financeiro Thiago Martello.

Pedir menos delivery e preparar as refeições em casa

Para economizar, é indicado se organizar no fim de semana para as principais refeições que serão realizadas no dia a dia, deixando os alimentos pré-preparados, pois a rotina nos dias úteis costuma ser mais corrida. Desta forma, o bolso e a alimentação estarão saudáveis.

Reavaliar os serviços de prestação no dia a dia

É possível tentar renegociar outros serviços, como plano de saúde, aluguel e financiamento da casa (portabilidade de dívida ou atualização para uma taxa de juros mais baixa), reduzindo o valor daquela conta e, por consequência, gerando economia.

Em momentos de desespero, é possível:

Vender dias das férias para a empresa e avaliar se faz sentido virar síndico do prédio, deixando de pagar o condomínio. Em caso de financiamento, é possível utilizar o dinheiro do FGTS para diminuir o saldo devedor.

Poupar o uso de aplicativos de transporte

Os brasileiros se acostumaram a utilizar os apps de transporte, mas vale levar em consideração que de R$ 7 em R$ 7 uma tonelada de dinheiro é gasta. Dicas como se adiantar para ir ao compromisso marcado, utilizar transporte público ou meios alternativos, como patinete ou bicicleta, ou até uma carona com um colega podem ajudar na redução de custos.

fonte:https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário