Páginas

Pesquisar este blog


06/11/21

 

Fome e pobreza são as principais preocupações dos mais jovens

Falta de emprego e meio ambiente também tiveram destaque em pesquisa sobre quais temas influenciarão seu voto em 2022


Do R7

Um a cada três querem soluções contra a miséria

Um a cada três querem soluções contra a miséria

REPRODUÇÃO / PIXABAY

Uma pesquisa do Ipec com jovens de 16 a 34 anos mostra que a fome e a pobreza serão as principais preocupações desse público na hora de definir seu voto nas eleições presidenciais de 2022.

A geração de empregos e a preservação do meio ambiente são outros valores sociais considerados muito importantes.

O estudo foi encomendado pelo movimento cívico global Avaaz e pela Fundação Tide Setubal e ouviu 1.008 pessoas entre 18 e 21 de setembro.

Entre os entrevistados, um a cada três citou o combate à fome e à pobreza como primordial. Para 16%, a preocupação é que o país tenha uma economia forte e que crie empregos e 14% valorizam mais a preservação do meio ambiente.

"O que essa pesquisa nos mostra é que este governo falhou com os jovens: não há comida na mesa de suas famílias, eles não têm lugar no mercado de trabalho e seu futuro está sendo ameaçado pela destruição ambiental. Os candidatos precisam ter propostas para melhorar esses aspectos concretos de suas vidas se quiserem conquistar seus mais de 58 milhões de votos", disse a responsável sênior por campanhas na Avaaz, Nana Queiroz.

É baixo o número de jovens que considera a corrupção o maior problema: apenas 7% destacaram esse item.

O acesso à educação e à saúde teve 3% das menções cada.

A maioria foge de conversa política

Embora 20% desconheçam o que é o Congresso Nacional ou o STF (Supremo Tribunal Federal), eles se recusam a participar do debate político. Para eles, 80% consideram o debate intolerante e agressivo.

Entre os ouvidos, 59% não falam sobre política nas mídias sociais por medo de serem cancelados ou tratados de forma agressiva.

"Eles estão famintos por soluções reais e um debate político saudável, mas, em vez disso, estamos servindo a eles um prato de discussões podres e polarização intolerante", diz Nana Queiroz.

Os dados mostram ainda que o medo da intolerância política afeta mais os jovens de menor renda: 7 em cada 10 jovens entre as famílias com renda de até um salário mínimo não participam das discussões sobre política nas redes sociais por medo.

Na pesquisa, os jovens opinaram que 69% da direita, para eles, é intolerante e agressiva. Mas 66% pensam o mesmo sobre a esquerda.

Talvez por isso, para 58% a divisão entre direita e esquerda não faz sentido.

Querem participar

Apesar de todas as dificuldades, 82% dos entrevistados entre 16 e 18 anos estão interessados em tirar o título de eleitor para votar nas próximas eleições, mesmo antes de atingirem a idade obrigatória.

Marcio Black, coordenador do programa de Democracia e Cidadania Ativa da Fundação Tide Setubal, diz que é preciso atrair os jovens para a discussão dos rumos do país.

"Os jovens brasileiros querem votar e participar da vida política, mas a cultura do cancelamento e os debates agressivos que permeiam o ecossistema político os estão afastando. Nenhuma sociedade pode evoluir ou se transformar se as pessoas se sentem silenciadas ou com medo de falar sobre seus erros e dúvidas. ."

A pesquisa, feita por meio de questionários presenciais, tem margem de erro estimada em três pontos percentuais para cima ou para baixo. O nível de confiança é de 95%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário