Páginas

Pesquisar este blog


30/08/21

 

Fumante tem resposta imunológica mais baixa ao ser vacinado contra a Covid; veja dez estratégias para largar o vício

Fumantes têm risco maior de ter quadros mais graves
Fumantes têm risco maior de ter quadros mais graves
Evelin Azevedo

Hoje é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo, data criada para alertar sobre os prejuízos do cigarro e apontar o caminho para deixar de fumar. O tabagismo é responsável por mais de 45 doenças e, num cenário de pandemia, continuar fumando pode apresentar ainda mais riscos para a saúde.

— É preciso alertarmos para o fato de que todas as formas de uso do tabaco podem elevar o risco de desenvolver Covid-19, evoluindo para complicações, quadros mais graves e potencialmente fatais — enfatiza Luiz Augusto Maltoni, diretor-executivo da Fundação do Câncer.

Um estudo japonês mostrou que quem fuma gera uma resposta imunológica mais baixa que o restante da população após receber a vacina contra a Covid-19. Os cientistas observaram, no entanto, que ex-fumantes apresentaram resultado imunológico melhor do que fumantes ativos. Por isso, eles sugerem que parar de fumar reduzirá o risco de apresentar menos anticorpos após a vacinação.

— As pessoas precisam se antecipar às más notícias para parar de fumar. Esta é mais uma evidência dos malefícios do cigarro — alerta Jaqueline Scholz, cardiologista e diretora do programa de tratamento do tabagismo do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP).

Em contrapartida, a pandemia prejudicou o tratamento para deixar de fumar. Um levantamento do Instituto Nacional do Câncer (Inca) com dados do Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT), mostra que houve redução de 66% no número de tabagistas em tratamento no Brasil na comparação de 2020 com 2019. A região Sudeste foi a mais afetada.

Usuários de versões eletrônicas: 7 vezes mais expostos

Além da pandemia, a queda na quantidade de tabagistas no Brasil enfrenta um novo desafio: a venda de cigarros mentolados ou eletrônicos. Estas duas novas formas de fumar têm atraído cada vez mais jovens para a dependência da nicotina.

Um estudo conjunto das universidades da Califórnia e de Stanford constatou que os usuários de cigarros eletrônicos têm até sete vezes mais chances de contrair a Covid-19. Um outro estudo, também da Universidade da Califórnia, concluiu que fumar cigarros mentolados está diretamente associado à dificuldade em abandonar o vício, especialmente entre pessoas que fumam quase todos os dias.

A pesquisa mostra ainda que fumantes adeptos da versão mentolada — cerca de 40% dos participantes analisados — precisaram de um tempo significativamente mais demorado para parar de fumar do que os usuários de cigarros comuns.

— Com essa adesão da população jovem, para qual a indústria está voltando toda a sua publicidade, existe um risco de reverter a redução importantíssima do número de fumantes no Brasil, que em 1989 representava 35% da população com 18 anos ou mais e que hoje está na faixa de 12,8%. A ideia da indústria é ter uma nova geração de pessoas dependentes da nicotina e que possam a vir a utilizar qualquer um de seus produtos, sejam eles eletrônicos ou não — diz Liz Almeida, coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca.

Dez estratégias para largar o vício

1- Defina seu motivo

Por que você quer parar de fumar? É por causa da sua saúde? Por causa da sua família? O cigarro está pesando no seu orçamento? Liste todos os motivos que você têm para parar de fumar

2- Procure ajuda especializada

Os moradores do Rio podem ir à clínica da família mais próxima em busca do programa contra o tabagismo. Quem mora em outros municípios deve procurar uma unidade básica de saúde. Lá, os profissionais de saúde vão dar orientações

3 - Determine um data

Escolha qual será o seu primeiro dia sem cigarro e comece. Caso haja uma recaída, não tem problema. Escolha um novo dia e recomece! Se passar um dia inteiro sem cigarro ainda for muito difícil, diminua gradativamente a quantidade

4- Peça ajuda à família

Conte para a sua família que decidiu parar de fumar. Peça que as pessoas te ajudem a se manter nesta meta e tenham paciência com o aumento da sua irritabilidade devido à abstinência

5- Não deixe cigarros à vista

Se você ainda tem um maço de cigarro em casa, não deixe que ele fique em um local onde você verá com facilidade. De preferência, jogue tudo fora

6- Evite gatilhos

Tente ao máximo não consumir álcool e café, pois são duas bebidas que podem despertar em você a vontade de fumar

7- Guarde o dinheiro do cigarro

Sabe todo o dinheiro que você gastava comprando maços de cigarro? Guarde e veja a economia que você terá

8- Recompense seu esforço

Estabeleça metas e se recompense após de cumpri-las. Por exemplo, faça um jantar legal após seu primeiro dia sem cigarro, faça um passeio quando completar a primeira semana, compre algo que você quer quando conquistar o primeiro mês sem cigarro. Se faltar dinheiro, use o que você economizou dos cigarros não comprados

9- Entenda os sintomas de abstinência

É normal sentir ansiedade, irritação, dor de cabeça, falta de concentração e muita vontade de fumar! Estes sintomas desaparecem em até duas semanas. Aumento da fome e do peso são comuns. Pratique atividades físicas e consuma líquidos, principalmente água

10 - Foque nos benefícios

Deixar de fumar traz benefícios quase que imediatos:

24h sem fumar - A pressão arterial e a pulsação voltam ao normal

7 dias sem fumar - A respiração melhora consideravelmente, não há mais nicotina no corpo e a sensação de cansaço diminui

1 mês sem fumar - Os riscos de infecção diminuem, os pulmões estão mais abertos e, em geral, sintomas de abstinência e dependência são eliminados

1 ano sem fumar - Há redução da fadiga e da falta de ar. A "tosse de fumante" não existe mais e o risco de desenvolver uma doença coronariana cai pela metade em relação a um fumante

fonte:https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário