Páginas

Pesquisar este blog


21/08/21

“Uma hora as ordens não serão cumpridas”, diz Eduardo Bolsonaro sobre STF



O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) voltou a fazer ameaças ao STF (Supremo Tribunal Federal). Em entrevista ao jornalista Luís Ernesto Lacombe, no “Agora com Lacombe” da RedeTV!, o filho do presidente disse que “vai chegar uma hora” em que as decisões do tribunal “não serão mais cumpridas”. O programa foi ao ar na noite dessa 5ª feira (19.ago.2021).

Prendem por fake news, não apresentam fake news, nem crime é fake news. Prendem por atos antidemocráticos. O que é ato antidemocrático? Prendem por milícia virtual. Vai chegar uma hora em que essas ordens, infelizmente, da maior Corte, de mais elevado nível do judiciário nacional, não vão ser cumpridas. Se continuar desse jeito…”, disse o deputado.

Em episódio anterior, em julho de 2018, Eduardo falou que bastaria “um soldado e um cabo” para fechar o STF. Criticado, ele justificou dizendo que a declaração foi em “tom jocoso”.

Publicidade
x

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro tem travado embates com o STF. No sábado (14.ago), ele anunciou que vai apresentar um pedido de impeachment dos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso ao Senado.

Moraes irritou o presidente ao decretar prisão preventiva de Roberto Jefferson (PTB), aliado de Bolsonaro. Barroso, que também preside o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), é apontado pelo chefe do Executivo por impedir a aprovação do voto impresso.

Em defesa do pai, Eduardo afirmou que Bolsonaro é alvo de ataques das Cortes, apesar de tentar “sempre agir dentro das 4 linhas da Constituição”. “Ao que parece, não tem mais corda para você esticar. Qual seria o próximo passo? Prender o presidente? Prender um dos filhos? A gente não tem medo de prisão. Agora, fazer isso, sem ter motivo?”, questionou.

Ao ser questionado sobre a derrota da PEC do voto impresso no Congresso, o deputado voltou a dizer que as urnas eletrônicas foram fraudadas. Segundo ele, os argumentos para não adesão ao voto impresso são “esdrúxulos”. A “resistência” da Justiça e da oposição de rever o sistema eleitoral é o que faz com que ele tenha “quase que certeza de que o procedimento é fraudado”.

Ao contrário do que dizem os bolsonaristas, não foram constatadas fraudes nas urnas eletrônicas. Auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) concluiu que as urnas são auditáveis e confiáveis. O processo foi ao plenário do tribunal no dia 11 de agosto, 1 dia depois de a Câmara dos Deputados enterrar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso.

Poder360

Nenhum comentário:

Postar um comentário