Páginas

Pesquisar este blog


14/10/21

 

ANA PAULA PADRÃO POSTA REFLEXÃO SOBRE TER DESISTIDO DA MATERNIDADE: 'NÃO FAZ DE MIM UMA MULHER INCOMPLETA'

A jornalista e apresentadora Ana Paula Padrão
A jornalista e apresentadora Ana Paula Padrão Foto: Carlos Reinis / Band / Divulgação
Extra
 Foto: Carlos Reinis / Band / Divulgação

A jornalista Ana Paula Padrão usou o Dia das Crianças para postar um texto sensível sobre não ter filhos em casa nesta data e como isso ja foi uma questão em sua vida. Ela questionou se este precisa mesmo ser o papel social da mulher e reafirmou que se sente uma mulher completa desta maneira.

A apresentadora do "MasterChef", da Band, contou ainda que se sentiu pressionada a ser mãe quando foi ficando mais velha e que passou por uma experiência dolorosa de perder um bebê na décima semana de gravidez. Veja o texto completo abaixo.

Hoje, ela tem 55 anos e e casada com o o executivo Gustavo Diament desde 2015. Quando postou o texto em sua conta no Instagram, muitas das suas seguidoras comentaram e agradeceram o posicionamento da jornalista, dizendo ainda que se sentem da mesma maneira.

"Também fui questionada por não ter filhos. Resposta simples, nunca quis, nunca pensei em ter e não me arrependo", escreveu uma delas.

"Obrigada, Ana! Você é necessária", comentou outra.

"Hoje é dia das crianças e não há crianças em casa. Eu não tive filhos. E, acredite em mim, a vida sem filhos não é uma vida vazia.

Até pensei em engravidar tempos atrás quando a idade soou o alerta agora ou nunca! Algumas tentativas fracassadas me fizeram, no entanto, compreender que eu estava inventando uma frustração que não existia antes. Eu não fui uma adolescente que sempre sonhou com uma casa repleta de filhos. No início da fase adulta também não pensei muito sobre o assunto. Diziam: uma hora o desejo chega! Não chegou. No entanto, o contexto de uma relação estável e o prazo final estabelecido pela natureza me fizeram tentar. Quando desisti da história foi até com sensação de alívio. Os tratamentos são intensos, provocam variações hormonais bastante severas e ainda passei pela dor profunda de perder uma gravidez na décima semana. Além dessa questão física, o mais importante é q minha cabeça não estava convencida: será que quero mesmo ser mãe ou estou sendo levada a cumprir o papel social esperado de uma mulher? Hoje penso que talvez meu corpo tenha entendido esse conflito antes da minha consciência. Tenho uma vida perfeitamente feliz sem filhos.

Não estou aqui defendendo que mulheres não tenham filhos se assim desejarem. Estou aqui mostrando que o fato de não ser mãe não faz de mim uma mulher incompleta nem uma pessoa triste. Ao contrário. Ter tido a possibilidade de viver minhas escolhas me realiza pq elas combinam com quem eu sempre quis ser. Falo pouco sobre esse tema pq pouco sou questionada sobre ele mas sei que ainda há muitas mulheres vivendo as mesmas dúvidas que já tive e é para elas que me dirijo aqui. Questione-se mais de uma vez. Fui mãe de inúmeros projetos, ajudei a maternar muitas pessoas e nunca olhei pra trás com arrependimento. Então, qualquer que seja sua escolha, que seja sua! - e que vc nunca se permita ser julgada pelos caminhos que decidiu trilhar ainda que eles desafiem o senso comum", escreveu Ana Paula Padrão.

fonte:https://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário