Páginas

Pesquisar este blog


27/11/21

 

Curiosidades do mundo: OS ZOOLÓGICOS HUMANOS

Europeus e americanos observavam de longe, e em lugares específicos (zoológicos), “espécies exóticas” de seres humanos

Do R7


Imagem da Exposição Internacional de Amiens, na França, em 1906. Esta "instalação" se chamava Vila Senegalesa e mostrava pessoas mergulhando atrás de moedas jogadas pelos visitantes do evento
ANÔNIMO/DOMÍNIO PÚBLICO

Soa como uma aberração, nos dias atuais, que a humanidade tenha tido a coragem de adotar esse tipo de comportamento. Ou ainda tem? Tá bom... Só uma provocação.

Mas Zoológico Humano foi não só um um termo usado por historiadores europeus nos séculos 18, 19 e 20.

Assim como vemos os animais cercados hoje em dia, os europeus e americanos observavam de longe, e em lugares específicos (zoológicos), “espécies exóticas” de seres humanos!

Sim. Na imensa maioria, pessoas da África, de diferentes tribos, eram exibidas com suas vestimentas tradicionais, armas, ferramentas, danças. Ou ficavam apenas paradas, expostas para saciar a curiosidade dos ocidentais.

Indígenas, tribos do continente asiático e aborígines da Oceania também estavam lá sob a condição de “mostra científica” (será possível???). Estamos falando de velhos, adultos, adolescentes e crianças.

Tudo isso foi fruto das “capturas” feitas pelos colonizadores europeus que iam “desbravar mundo primitivo” em nome da ciência, num período corretamente chamado de Imperialismo.
Alguns “cientistas” da época tentavam, com isso, provar teorias de superioridade racial, apontando diferenças e hierarquias entre as raças.

Na realidade, não passavam de pessoas escravizadas, sujeitas a trabalho forçado e, de quebra, uma situação humilhante, não é?

Até o famoso zoológico de animais do Brooklyn, em Nova York (EUA), já teve apresentação de humanos como curiosidades nas primeiras décadas dos anos 1900.

Se quer saber mais sobre isso, procure pelo livro Zoológicos Humanos: Gente em Exibição na Era do Imperialismo, de Sandra Koutsoukos, pesquisadora da Unicamp (Universidade de Campinas).

Nenhum comentário:

Postar um comentário